Home Governo de Portugal DGPC Home UNESCO
English Version

Palácio de Belém

O Palácio, hoje sede da Presidência da República Portuguesa, tem, atrás de si, uma longa história. A atracção do Mosteiro dos Jerónimos, a água fácil e a beleza do sítio explicam a construção pelo fidalgo D. Manuel de Portugal, em terras aforadas, já pelo meio do século XVI, de um palácio que, por herança indirecta, passará aos condes de Aveiras no século XVII e será comprado pelo rei D. João V na primeira metade do XVIII. A compra parece obedecer a um plano de posse duma vasta área a ocidente da capital onde a nata dos fidalgos se empenha em possuir quintas de recreio que miram o Tejo e o aproveitam como fonte de alegres lazeres. O terramoto e maremoto de 1755, por receio de repetição, fará morar em tendas, no Jardim Grande, por largos meses, a família real. Será a partir do Paço de Belém que o ministro de D. José I, o marquês de Pombal, tomará as primeiras medidas relativas a Lisboa. Com D. Maria I fazem-se obras, passa a haver água encanada, constroem-se viveiros rococó para pássaros exóticos, no Jardim da Cascata, e a Corte dá festas com fogos nas noites de São João e São Pedro. As cavalariças e as cocheiras de Belém são utilizadas, embora a rainha habite na Ajuda e, em 1787, projecta-se um novo Picadeiro, sob o risco do italiano Giacomo Azzolini, por inspiração do futuro rei. Com frente para a Praça de Belém e a Calçada da Ajuda surge, assim, um palacete neo-clássico com decoração rocaille: o actual Museu dos Coches.

Em Belém vão morar, desde o seu casamento, em 1886, D. Carlos e D. Amélia de Orleães, herdeiros da Coroa. Para os receber houve obras de remodelação em que colaboraram dois grandes nomes da pintura portuguesa: José Malhoa e Columbano. Os dois filhos do real casal vão nascer em Belém: D. Luís Filipe (1887) e D. Manuel (1889). Com a morte de D. Luís (1889) o Palácio de Belém vocaciona-se exclusivamente para receber visitas. Em 1905, o picadeiro torna-se Museu dos Coches por iniciativa de D. Amélia, para conservar, no surto dos novos transportes, um precioso património em que se contam, além das carruagens, outras peças variadas desde arreios e selas até instrumentos musicais da Charamela Real.  

Proclamada a República a 5 de Outubro de 1910, Teófilo Braga é a primeira personalidade da chefia da República a utilizar a Casa de Belém para assinar documentos e aí receber destacadas individualidades. Dez meses passados, será Manuel de Arriaga o primeiro Presidente a habitar este palácio.

A 5 de Outubro de 2004 foi inaugurado no Palácio de Belém o Museu da Presidência da República, que combina a exposição tradicional de peças de colecção ligadas aos políticos que chefiaram o Estado português desde 1910 com sistemas interactivos de informação e conhecimento. 

Bibl: História do Palácio de Belém, Mestre Dr.ª Maria José Guerreiro Duarte e Dr.ª Maria Helena Pais de Sousa, site da Presidência da República

 Site: http://www.presidencia.pt/

  http://www.museu.presidencia.pt/

rss